De volta à sala de aula

 

Por essa os ingleses do grupo Pearson certamente não esperavam. Dois anos e meio depois de vender a rede de idiomas Wizard para a Pearson por 2 bilhões de reais, o empresário Carlos Wizard Martins já prepara o seu retorno ao setor.

Ele lançará em março do ano que vem uma nova rede de idiomas igualzinha à que vendeu.

Segundo EXAME apurou, Martins espera construir rapidamente uma rede maior do que a própria Wizard – o objetivo é alcançar a liderança no segmento em três anos.

Ele poderá aproveitar uma vulnerabilidade da Pearson: os contratos da empresa com os franqueados duram, em média, quatro anos. Após esse período, eles podem simplesmente trocar de rede e aderir ao novo grupo Martins.

Quando compraram a Wizard, os ingleses tentaram convencer Martins a assinar um acordo de não competição de dez anos. Após a insistência da família, a Pearson aceitou diminuir o prazo para três anos, intervalo inusitadamente curto para transações desse tipo. O prazo expira em fevereiro de 2017.

(Revista Exame – edição nº 1120 – 31 de agosto de 2016 – Coluna Primeiro Lugar – por Tiago Lethbrigde)